Conecte-se com a gente

Vendas

E-commerce: 5 primeiros passos para criar uma loja virtual

E-commerce: 5 primeiros passos para criar uma loja virtual

Pensando em iniciar um negócio na internet? Descubra quais são os primeiros passos para abrir um e-commerce e vender pela web.

e-commerce é como uma loja virtual, ou seja, as transações de compra e venda são realizadas na internet, com o uso de computadores e smartphones. A palavra é uma abreviação de electronic commerce e significa comércio eletrônico.

Essa modalidade de negócio se tornou um hábito para os brasileiros. Segundo dados da 37ª edição Webshoppers, da Ebit, mais de 55 milhões de consumidores fizeram pelo menos uma compra na internet em 2017, representando um aumento de 15% em comparação a 2016.

Só em 2017, foram realizados mais de 50 milhões de pedidos no e-commerce brasileiro, com um faturamento de R$ 47,7 bilhões no ano passado.

Analisando esses números, é possível compreender como é essencial criar uma loja virtual para não ficar atrás nas vendas de seu produto ou serviço. Um e-commerce marca sua presença no território virtual, afastando o perigo de seu negócio se tornar obsoleto no mercado.

Por isso, neste post, abordaremos:

  • As principais vantagens do e-commerce;
  • Como criar um e-commerce;
  • Como definir o produto ou serviço a ser vendido;
  • Escolher a plataforma ideal;
  • Formas de pagamento;
  • Canais de anúncio.

As principais vantagens do e-commerce

Sem limites de tempo

Uma loja virtual funciona 24 horas por dia, 7 dias na semana, ininterruptamente.

Você pode vender mesmo quando estiver viajando, dormindo, passeando com a família ou trabalhando em outro negócio.

Custos bem menores

Sem precisar de uma loja física e toda a burocracia que isso requer, fora as contas de água, energia, impostos e aluguel, os custos de operação e manutenção de um e-commerce são bem menores.

Com isso, é possível diminuir o valor dos preços do seu produto, gerar mais venda e um lucro maior no fim do mês.

Um fator determinante para a queda dos preços é a distribuição dos produtos, que vêm diretamente do fabricante ou do vendedor para você, sem envolver intermediários.

Outra vantagem é que as lojas virtuais são obrigadas a recolher impostos em cima de vendas somente se tiver um local físico no Brasil, mesmo comprando de lojas ao redor do mundo.

Sem filas e trânsito

consumidor pode comprar do aconchego do seu lar, no serviço, na academia, sem precisar se deslocar até uma loja física, pagar estacionamento e talvez até encarar um trânsito pesado e filas no estabelecimento.

Sem limites geográficos

Seu e-commerce pode ser acessado e realizar uma venda para um consumidor de qualquer lugar do mundo, não ficando restrito apenas ao seu país.

Gostou? Continue a leitura para ver dicas de como criar um e-commerce:

6 passos para a criação de um e-commerce

1. Planejar a loja

Agora que você descobriu as vantagens de ter uma loja virtual e se interessou em criar uma, saiba que é preciso um planejamento cauteloso para iniciar seu negócio no meio online.

Primeiramente, é necessário decidir em qual modelo de negócio você quer atuar. Confira as opções abaixo:

Business to Customer (B2C)

O modelo mais tradicional de e-commerce, que promove a venda direta de produtos da empresa (business) para o consumidor (consumer).

O B2C é ideal desde grandes varejistas a pequenos negócios, caso o público seja formado pelo cliente final.

Business to Business (B2B)

No formato B2B, as partes envolvidas – tanto o comprador quanto o vendedor – são empresas.

O B2B é uma boa opção, por exemplo, para empresas que vendem materiais para escritório – que também podem atuar no modelo B2C.

Business to Government (B2G)

Outra opção é vender bens ou serviços para órgãos públicos. Se você entende como funcionam os processos de licitação, esse modelo pode ser uma vantagem na escolha para a sua loja virtual.

Business to Employee (B2E)

Nesse caso, a empresa faz venda direta para os seus funcionários, permitindo que os colaboradores obtenham suas mercadorias.

É possível fazer o B2E por meio de uma rede interna da empresa, onde os colaboradores podem ter acesso a produtos e serviços exclusivos, como uma forma de recompensa.

Outra possibilidade é oferecer descontos com base no tempo de serviço na empresa e nas metas alcançadas, por exemplo.

2. Como definir o produto ou serviço a ser vendido

Depois de escolher qual modelo de negócio usará, é preciso definir qual produto ou serviço seu e-commerce venderá.

A escolha mais comum fica com os produtos físicos, porque é o mercado que os vendedores e consumidores estão mais acostumados. Eles são bens duráveis ou não tão duráveis, como alimentos, sapatos, roupas, livros, eletrodomésticos.

Outra opção são os produtos digitais, como cursos online, ebooks, softwares, serviços de assinatura.

Para além dos produtos, há também a opção da venda de serviços, como lavagem de roupa, pintura de casa e design de interiores.

3. Escolher a plataforma ideal

Nessa fase, você pode criar uma plataforma de vendas para e-commerce do zero. No entanto, para isso, é preciso ter um conhecimento técnico em programação.

Quem não quer se aventurar com programação, pode usar ferramentas de e-commerce online. Com elas, você consegue customizar sua loja virtual de acordo com o perfil da sua empresa. Uma alternativa é a plataforma Xtech, que reúne todas as funcionalidades para começar seu negócio.

4. Formas de pagamento

O próximo passo é decidir, na própria plataforma de e-commerce, o modo de pagamento dos clientes.

Basta configurar na ferramenta as opções que ficarão disponíveis aos consumidores, como depósito em conta, paypal, cartão de crédito ou o tradicional boleto.

É muito importante oferecer o maior número possível de formas de pagamento para seu cliente, não prejudicando, claro, seu lucro ou a logística das operações.

5. Canais de anúncio

Um bom meio de atrair visitantes e possíveis clientes para seu e-commerce é utilizando o marketing de conteúdo.

Cada vez mais usada por empresas, essa estratégia pode servir como ponte para tornar sua loja virtual um sucesso, criando artigos e conteúdos que ajudam seu consumidor na decisão final de compra.

Outro fator importante é usar diferentes mídias sociais. Isso permite não só divulgar seus produtos e serviços, mas também dialogar com seu público em redes como o Facebook, Instagram ou Youtube.

Explorando corretamente as redes sociais, é possível atrair muitos visitantes, comentários positivos e engajamento dos internautas.

Pronto, seu planejamento está terminado. Agora é colocar tudo em prática e criar seu e-commerce para faturar com a internet.

E um aspecto fundamental para isso é entender o seu público, para quem você está vendendo e qual o valor dele para sua empresa.Para aprender a analisar esses dados, confira nosso post que ensina como calcular o Lifetime Value (LTV), recurso importante e muito indicado para e-commerce de produtos.

Assine nossa newsletter semanal

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aumente a geração de leads com o funil de vendas em Y Aumente a geração de leads com o funil de vendas em Y

Aumente a geração de leads com o funil de vendas em Y

Ferramentas digitais

O que é e como construir um brand loyalty de sucesso em 7 passos O que é e como construir um brand loyalty de sucesso em 7 passos

O que é e como construir um brand loyalty de sucesso em 7 passos

Marketing

Otimização de conteúdo: 8 hacks para subir de posição no Google Otimização de conteúdo: 8 hacks para subir de posição no Google

Otimização de conteúdo: 8 hacks para subir de posição no Google

Marketing

Conheça a Sower, agência de growth marketing que nasceu do Clint Hub Conheça a Sower, agência de growth marketing que nasceu do Clint Hub

Conheça a Sower, agência de growth marketing que nasceu do Clint Hub

Prestadores de serviços digitais

Anúncio
Conectar
Assine nossa newsletter semanal